28 de julho de 2006

O Samurai ao Entardecer – Yoji Yamada


Este é um daqueles filmes que vão crescendo em nossa mente, na medida em que caminhamos momentos após assistir ao filme. E como cresce, pois é riquíssimo em sutilezas e detalhes. Que bom que finalmente podemos conhecer um filme deste cineasta veterano, que já tem mais de setenta obras dirigidas. Prova de que , neste maravilhoso mundo do cinema, sempre haverá algo novo, ou velho mesmo, para conhecermos e nos deliciarmos. Que belo filme!

Conta à história de um pai de família muito pobre, que logo após a morte da esposa, se vê cheio de dívidas, e tendo que cuidar de uma mãe doente e duas filhas pequenas, uma de dez e outra de cinco anos. Por isso o titulo, pois é o apelido do protagonista, dado por seus colegas de trabalho, por ele sair correndo do serviço, para cuidar dos afazeres da sua casa e da família. Mas também porque ele tem um passado, em que já foi (e continua sendo) um samurai. E este passado virá à tona, quando ele se vê obrigado a defender uma amiga de infância, de um ex-marido violento que o desafia a um duelo. Logo suas habilidades escondidas são mostradas, e acaba lhe custando uma volta a um passado que ele não queria mais para si. Logo o chefe do clã praticamente o obriga a fazer um “serviço”, matar um outro samurai.Quando estes dois se encontram, culminando na cena mais bela do filme, ele descobre que a história de vida de ambos tem muita coisa em comum. São duas peças pobres, manipuladas pelos seus superiores poderosos. Clara alusão ao Japão de ontem e hoje.

O Samurai é um homem simples, sem ganâncias, ou gana para riquezas. Suas maiores riquezas, são suas filhas, às quais em certo momento, em uma conversa com seu tio, ele diz serem elas a sua riqueza, e ver as duas crescerem belas e frondosas, feito as flores do campo, é sua alegria e maior ambição. Apesar de ser um filme de samurai, e com algumas lutas inclusive, é na verdade um filme que transpira amor, nas intenções e sentimentos.

O filme é contado pela ótica dá filha mais velha já adulta. Mas isso não faz com que ele caía no melodrama em momento nenhum. Ela fala com reverencia de um homem simples, que muitos julgaram até infeliz, mas que ela sabia, ter sido na sua breve trajetória de vida, imenso em intensidade, caráter e amor. Um filme delicado e imperdível que está já há semanas em cartaz no maravilhoso CineSesc, no meio de super produções ocas que povoam os cinemas.

2 comentários:

  1. Esse filme é muito bom. Quem gostou deve ver toda trilogia do Yoji Yamada. Incluindo o The Hidden Blade (Espada oculta ou Espada do samurai) e Love and Horor (Amor e honra ou honra do samurai). E de outro diretor tem tbem o filme Ame Agaru (Depois da chuva), que é muito bom também.

    ResponderExcluir